Vender ou arrendar casa? Qual a melhor opção? – Artigo de Opinião

No último ano, vários proprietários têm tido um dilema típico de um mercado em alta: faz mais sentido vender o imóvel ou colocá-lo no mercado de arrendamento?

 

Ora bem, vejamos o que os factos nos dizem. No mercado da compra e venda em 2017 atingimos um máximo histórico, quer de transações, quer de volume de vendas, o que comprova um mercado imobiliário em alta.

vender ou arrendar casa
Fonte – INE (Índice Preços Habitação 4º trimestre 2017)

 

Na minha opinião, ninguém sabe o que o futuro nos reserva, embora os dados do 1º trimestre de 2018 tenham sido bastante animadores. Eu julgo que irá haver uma tendência de crescimento moderada ou mesmo estabilização dos preços. Isto assumindo que já foi corrigida a enorme perda, sofrida no período da crise (2011 – 2014).

Portanto, tanto pode continuar a subir mais um pouco, ou estabilizar, pois não há factos que suportem que iremos continuar a crescer ao ritmo galopante dos últimos 4 anos. Sabendo que estamos num pico, diria que é uma ótima altura para vender.

No mercado de arrendamento, que está completamente desequilibrado por força de vários fatores, podemos também constatar uma subida generalizada das rendas contratadas em Portugal, observável no quadro abaixo:

vender ou arrendar casa
Fonte – Confidencial Imobiliário: Rendas praticadas 2016 a 2017

 

Contudo, ao contrário do mercado de compra e venda, está a existir uma pressão enorme sobre o Estado para que haja intervenção no sentido de balancear a oferta com a procura com vista à redução das rendas pedidas e também ao incremento da oferta disponível para arrendamento.

Desta forma, no mercado de arrendamento tradicional prevê-se uma regressão do valor das rendas no médio prazo. Isto significa que, se hoje pusermos o imóvel a arrendar, até podemos conseguir um contrato espetacular, mas a probabilidade de que o próximo contrato (a ser feito dentro de 3 a 5 anos) seja fechado com rendas mais baixas, é altíssimo. Isto, numa perspetiva de análise de rentabilidade de um ativo para rendimento, acaba por ser um turn off significativo.

Em conclusão, julgo que é possível gerar mais riqueza através de uma venda num pico de mercado, do que colocar o ativo imobiliário para rendimento num mercado que está com uma expetativa de contração no médio prazo.

 

Se ainda tem dúvidas sobre o que fazer com o seu imóvel em especifico, fale comigo!

1+
André Maia

André Maia

Consultor Imobiliário da Home Hunting, especialista no concelho de Lisboa. Apaixonado por números e conhecimento, tem mais 8 anos de experiência como consultor no setor da Banca, ligado a projetos de tecnologia e risco. Adora poder dar o seu contributo e está sempre pronto a ajudar, estando habituado a que o seu trabalho tenha um impacto grande na vida das organizações e das pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Post comment

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Está a um passo de receber todas as
novidades da Home Hunting!